Highslide for Wordpress Plugin
Notícias › 18/01/2018

Missa em Iquique: estejamos atentos às situações de injustiça, pede Papa

Antes de se despedir do Chile nesta quinta-feira, 18, o Papa Francisco visitou a cidade de Iquique, ao norte do país, onde celebrou a Santa Missa. A homilia do Papa foi voltada para a realidade dessa porção do povo chileno, destacando o caráter festivo que os caracteriza, bem como a devoção mariana, e ressaltando a necessidade de acolhimento, uma vez que essa região acolhe muitos imigrantes.

“A mensagem do Evangelho é fonte de alegria”, disse Francisco, destacando que os povos do norte chileno sabem viver a fé e a vida em clima de festa. E não se trata de uma festa fechada no templo, mas que reveste toda a aldeia.

E é em clima de festa que o Evangelho apresenta a ação de Maria, disse o Papa, atentando para o Evangelho proclamado na Missa, que relatou o episódio bíblico das Bodas de Caná, quando Maria intercedeu pelos noivos devido à falta de vinho e Jesus fez seu primeiro milagre, transformando água em vinho.

Também hoje, observou o Papa, Maria permanece com essa atenção, passando pelas realidades de hoje e dizendo a Jesus: “Olha! ‘Não têm vinho’”. E de igual modo, diz a cada um “Fazei o que Ele vos disser”.

Iquique: terra de sonhos, região de imigrantes

Francisco destacou que Iquique é uma “terra de sonhos”, que soube abrigar pessoas de diferentes povos e culturas que tiveram que deixar suas terras, uma região de imigrantes. “Esta é terra de sonhos, mas procuremos que continue a ser também terra de hospitalidade”, pediu o Papa.

Francisco pediu ainda que, a exemplo do que fez Maria em Caná, as pessoas procurem estar atentas às realidades de hoje para reconhecer aqueles que estão necessitados, pessoas que tiveram suas vidas arruinadas, que não têm mais razão para fazer festa.

“Estejamos atentos a todas as situações de injustiça e às novas formas de exploração que fazem tantos irmãos perder a alegria da festa. Estejamos atentos à situação de precariedade do trabalho que destrói vidas e famílias. Estejamos atentos a quem se aproveita da irregularidade de muitos migrantes porque não conhecem a língua ou não têm os documentos em ‘regra’. Estejamos atentos à falta de teto, terra e trabalho de tantas famílias. E, como Maria, digamos com fé: Não têm vinho”.

E a exemplo dos serventes da festa, o Santo Padre convidou os fiéis à solidariedade, a não ter medo de “dar a mão”, a oferecer o que eles têm, mesmo que pareça pouco. “Que Maria, sob os diferentes títulos com que é invocada nestas abençoadas terras do norte, continue a sussurrar aos ouvidos de seu Filho Jesus: ‘Não têm vinho’; e, em nós, continuem a fazer-se carne as suas palavras: ‘Fazei o que Ele vos disser’”.

Ao término da celebração eucarística, o Santo Padre fez uma saudação final ao povo chileno, manifestando seus votos de paz para o país.

“Queridos irmãos, em cada Eucaristia, dizemos: Olhai, Senhor, para a ‘fé da vossa Igreja e dai-lhe a união e a paz, segundo a vossa vontade’. Que mais posso desejar-vos do que terminar a minha visita dizendo ao Senhor: Olhai a fé desse povo e dai-lhe a união e a paz”.

O bispo de Iquique, Dom Guillermo Vera Soto, também deixou um agradecimento ao Papa em nome de todos, dizendo que nesses dias o Chile pôde rezar com o Papa. “O Chile se sentiu querido. Os católicos se sentiram consolados, animados”, disse Dom Vera, assegurando o carinho e as orações dos chilenos, que já estão rezando pela visita do Papa ao Peru.

Francisco agradeceu pelas palavras do bispo e renovou o agradecimento à presidente Michelle Bachelet pelo convite a visitar o país e a todos os que tornaram essa visita possível, incluindo o trabalho silencioso de milhares de voluntários.

“Obrigada aos que de muitas formas acompanharam esta peregrinação especialmente com a oração. Sei do sacrifício que tiveram que fazer para participar das nossas celebrações e encontros. Valorizo-os e lhes agradeço de coração. Obrigado aos membros da comissão organizadora. Todos trabalharam, muito obrigada”.

Francisco estendeu ainda um agradecimento pela presença de peregrinos de países vizinhos, como Bolívia, Peru e Argentina, sua terra natal. “Obrigada aos meus irmãos argentinos que me acompanharam em Santiago, em Temuco e aqui em Iquique. Muito obrigada”.

Viagem ao Peru

Após a Missa, o Papa almoça com a comitiva papal na Casa de retiros do Santuário de Nossa Senhora de Lourdes” dos Padres Oblatos e, em seguida, vai para o aeroporto de Iquique, de onde partirá para Lima, capital do Peru.

A chegada do Papa ao Peru está prevista para as 20h20, pelo horário de Brasília. Essa será a segunda e última etapa dessa visita do Papa à América Latina.

Por Canção Nova

Imprimir